2 de novembro de 2016

Entendendo as Medidas e Especificações Técnicas (Parte I)

ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS

Existe um conjunto de especificações básicas que devemos observar em qualquer equipamento. Este grupo mínimo nos dará uma ideia do que esperar do equipamento.

Vamos olhar cada uma destas especificações básicas e o que elas significam.

RESPOSTA DE FREQUÊNCIAS

figura 1

Figura 1 – Gráfico de resposta de frequência de uma caixa acústica

Caracteriza como um equipamento responde às diversas frequências que compõem um sinal musical. As notas graves correspondem a frequências baixas, digamos abaixo de 200Hz (Hz, abreviação de Hertz corresponde a variações por segundo, como era fácil concluir com a antiga unidade CPS – ciclos por segundo). A região média onde se concentra a voz pode ser considerada entre 200Hz e 3.000Hz. Acima disto, teremos os agudos. Idealmente um sistema deveria responder de forma absolutamente igual pelo menos entre 20Hz e 20.000Hz, que são considerados os limites da audição humana. Amplificadores e pré-amplificadores normalmente exibem uma curva absolutamente plana até os limites onde começam a responder menos, caindo a partir daí às vezes de maneira comportada e às vezes exibindo algumas irregularidades. Já as caixas acústicas exibem variações bem mais acentuadas em toda a faixa audível, sendo variações de +/- 3dB consideradas bem razoáveis. Diante desta diferença de comportamento entre os equipamentos eletrônicos e as caixas acústicas, a informação de que um amplificador responde às frequências de 20Hz a 45kHz, sendo estes os pontos de -3dB é bem relevante, pois podemos assumir um comportamento essencialmente plano nesse intervalo. Já para uma caixa acústica, tal informação é de pouca valia, pois ela poderá exibir todo tipo de variações no intervalo. Apenas uma curva de resposta como a da figura 1 poderão nos dar mais informações. Duas caixas honestamente especificadas como 50Hz a 20kHz +/- dB poderão soar completamente diferentes dependendo de como é o comportamento da resposta entre estes dois pontos.

RELAÇÃO SINAL / RUÍDO

É a proporção entre o sinal que desejamos reproduzir e a quantidade de ruído gerado internamente em um equipamento. Este ruído, em princípio, não tem nenhuma relação com o sinal que desejamos reproduzir. É importante notar que este ruído pode ser medido de diversas maneiras. Existe uma medida de todo o ruído, uma outra que se limita a medir o ruído entre 20 Hz e 20 kHz, já que não ouvimos fora desta faixa e as medidas com curvas de ponderação, na qual se considera certas frequências mais importantes do que outras. A medida de todo o ruído sem limitações de faixa ou ponderações nos dará o pior caso. De qualquer maneira, seja qual for o método escolhido, quanto maior o valor, menor será o ruído em nosso equipamento. Um equipamento com relação sinal / ruído de 85 dB terá menos ruído interno que um com 75 dB. Apenas devemos tomar o cuidado de comparar medidas feitas dentro das mesmas condições. Relação sinal / ruído em geral só se aplica a equipamentos eletrônicos.

 

Fonte: Revista Audio Video Magazine – Setembro 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *